Envios grátis para compras superiores a € 50.00 $ 58.90 R$ 310.20 £ 42.68
5 dicas para curar a ressaca

5 dicas para curar a ressaca

26 Agosto 2021

O verão é a estação do ano que mais festas e convívios nos propicia. O clima aprazível e os dias longos levam-nos até às esplanadas e aos convívios entre amigos e familiares. As conversas estendem-se e o calor pede bebidas frescas que vão sendo acompanhadas por petiscos e refeições prolongadas. Por vezes, a descontração típica desta época do ano leva-nos a cometer alguns excessos, tanto no que diz respeito aos hábitos alimentares como no que se refere ao consumo de bebidas alcoólicas e tabaco. Como tal, mesmo que inebriados pelo ambiente festivo que nos rodeia, rapidamente percebemos quais são os sinais daquilo que, mais à frente, nos espera quando incorremos neste tipo de comportamentos: uma ressaca.

A ressaca compreende quer sintomas físicos como mentais que, geralmente, são despoletados pelo nosso organismo quando existem sinais de desidratação, quando se verifica um défice no metabolismo produtor de energia e quando, por sua vez, o fígado não é suficientemente capaz de metabolizar e eliminar todas as substâncias tóxicas às quais foi exposto.

Sintomas da ressaca são, por exemplo, as dores de cabeça, as náuseas e a sede excessiva ou sensação de boca seca. Isto acontece maioritariamente porque, no caso do consumo excessivo de bebidas alcoólicas, durante o processo de metabolização hepática, são formados compostos ainda mais tóxicos do que o álcool (acetaldeído), que provocam, então, este conhecido estado de letargia.

Todavia, além dos sintomas descritos, outros de gravidade acrescida podem também verificar-se aquando do consumo de álcool. Isto porque a saturação do fígado poderá levar ao comprometimento de outras funções desempenhadas por este órgão, como, por exemplo, garantir que durante o jejum ocorre a transformação de glicogénio em glicose (glicogenólise), e que o mecanismo de produção de glicose através de proteínas e lípidos (gliconeogénese) decorre normalmente. Quando isto não acontece, o nosso organismo deixa de ser capaz de controlar eficazmente o índice glicémico, uma vez que deixa de recorrer às suas “reservas”, pelo que se podem desencadear quadros graves de hipoglicemia.

Assim sendo, quais são as cinco dicas fundamentais para atenuar os efeitos colaterais de uma ressaca?

1. Ingerir uma quantidade adequada de líquidos

O aporte de líquidos para o nosso organismo não só irá atenuar o seu estado de desidratação, como também facilitará a excreção dos corpos cetónicos e dos ácidos orgânicos.

2. Repor os sais minerais

Por vezes, pode também ser necessário repor os níveis de sais como o magnésio e o potássio, porque o consumo excessivo de álcool conduz a uma diminuição da produção de uma hormona (hormona antidiurética) que é responsável pela reabsorção de água a nível renal. Como tal, aquando do consumo de bebidas alcoólicas, ocorre um efeito diurético que, naturalmente, conduz a micções mais frequentes e, por conseguinte, não só à perda de um volume considerável de água, mas também à escassez de sais minerais.

3. Ingerir glicose

É importante que o equilíbrio do organismo seja restabelecido. A glicose estimula a libertação de insulina e é responsável pela síntese dos compostos que nos permitem ter energia para desempenhar todas as nossas tarefas diárias. Por isso, é importante ingerir açúcares de absorção rápida, de modo a repor os níveis normais de glicose no sangue e, posteriormente, de absorção prolongada para evitar oscilações do índice glicémico.

4. Descansar o corpo e a mente

É importante dar tempo e repouso ao corpo para que o mesmo possa recuperar e voltar ao seu estado normal, tanto a nível físico como psicológico. Descanse num sítio confortável, adequadamente ventilado e silencioso.

5. Ter na suplementação um aliado

Além de, essencialmente, ter abordado dicas para curar uma ressaca desencadeada pelo consumo de bebidas alcóolicas, a verdade é que a suplementação é crucial tanto nestes casos como quando se verificam excessos alimentares, uma vez que o princípio de intoxicação é o mesmo: a sobrecarga de toxinas com que o nosso fígado se depara.

Por isso mesmo, torna-se imprescindível auxiliar o fígado nesta sua missão. Como? Desintoxicando-o.

A glucoronolactona é o exemplo de uma substância que facilita a eliminação das toxinas, em virtude da sua associação às mesmas. Mas não só! Sabe-se que associar substâncias como a silimarina (que contribui também para a destoxificação hepática) e a taurina (que repara os tecidos danificados) a um complexo de vitaminas (vitamina C e vitaminas do complexo B) contribui tanto para proteger as células de oxidações indesejáveis, como para atenuar o cansaço e a fadiga.

Aliadas a estas substâncias, a cafeína é sempre uma excelente opção. Tratando-se de um psicoestimulante, aumenta a concentração e o estado de alerta, melhorando a capacidade física e mental, para que se possa sentir revigorado rapidamente.

Estas substâncias podem ser encontradas em diversos produtos, mas permitam-me destacar o Absorvit Refresh Detox e o Guronenergy, uma vez que estes são suplementos alimentares que atuam rapidamente no alívio dos sintomas associados aos excessos alimentares e alcoólicos e que lhe conferem uma ação refrescante e revitalizante.

 

Espero que estas dicas lhe tenham sido úteis. Alimente-se de forma adequada, beba com moderação, proteja-se do sol e do calor e celebre todos os dias o melhor que esta estação tem para lhe oferecer.

Encontramo-nos no próximo artigo! Boas férias e até breve!

 

Dra. Andreia Moreira

 

CONTACTOS

Farmácia Saúde

Maria Margarida Moreira - Farmácia Sociedade Unipessoal, Lda.

NIF: 514202386

Avenida dos Combatentes da Grande Guerra, 689

4200-190 Porto

+351 225 089 213 / +351 910 732 211

geral@farmaciasaude.com.pt

   

A MINHA CONTA

 

LIVRO DE RECLAMAÇÕES

Este estabelecimento dispõe de livro de reclamações online

MÉTODOS DE PAGAMENTO


Multibanco

paypal

   Transferência Bancária

         

Autorizado  a Disponibilizar Medicamentos Não Sujeitos a Receita Médica através da Internet pelo INFARMED, I.P.

Direção Técnica: Maria Margarida de Barros Nobre Moreira